sábado, outubro 15, 2005

destes ossos apoiados no pescoço que começam a ceder
e dando o gosto à língua de também ceder
na comunhão do ossos

a imagem que me surge é

precisamente nenhuma

talvez por todo o esqueleto se quebrar tão devagar
que todos nós nos ajudemos a celebrar toda a queda

em
alucinação

2 comentários:

Tiago Tejo disse...

Fecha com uma palavra chave, alucinação.

No entanto, todo o sentimento que sinto é, ainda antes deste ser surgerido, também pelos versos, o de queda.

Tiago Tejo disse...

Quase me esquecia duma coisa. Aproveito para a fazer na mais recente publicação aquando da minha descoberta deste blog.

Quero felicitar os quatro elementos que compõem este blog pelo mesmo. E agradecer pelos agradáveis momentos que me proporcionaram ao lê-lo e comentá-lo.

Abraços.